Carta da Secretária de Educação

Prezados Professores,

Na vida, sempre teremos o direito de escolher qual caminho trilhar. Embora, muitas vezes, tal escolha implique em dores, sacrifícios, o resultado será, inevitavelmente, fruto do exercício desse direito, ou, por que não dizer, desse dom. Afinal, somos constituídos do livre arbítrio dado pelo próprio Criador.

Logo, aquilo que fazemos de certo ou de errado, de bom ou de ruim, é intrínseco à individualidade de cada um, mesmo que, de certo modo, influenciados pelo meio em que vivemos, a responsabilidade continua sendo, até certo ponto, individual, uma vez que somos sujeitos dotados de capacidade de escolha e de transformação.

A nossa prática pedagógica também é marcada por escolhas. Na nossa jornada profissional precisamos, diariamente, nos posicionar acerca do trabalho a que nos propomos desenvolver, tendo sempre em mente que aquilo que levamos como bagagem para o cotidiano escolar poderá estimular ou desestimular sonhos, construir projetos de vida ou mesmo destruir esperanças… É bem verdade, que a Educação, embora no aspecto legal esteja ricamente construída, no chão da escola ainda há um longo caminho a ser percorrido para que, de fato, possamos alcançar os “direitos e objetivos de aprendizagem”, com qualidade, igualdade e equidade.  Estamos reconstruindo os fundamentos, revendo os caminhos, reformulando nossas teses, repensando nossas práticas. A Educação é ato contínuo! É um constante construir, um constante buscar, um constante aprender, um constante ensinar.

Valendo-se do conceito dado por Geraldi para a leitura (2003, p.166), podemos afirmar que a prática educacional como um todo se realiza também num “processo dialógico cuja trama toma as pontas dos fios do bordado tecido para tecer sempre o mesmo e outro bordado, pois as mãos que agora tecem traçam e tecem outras histórias. ”

Portanto, não há como nós Professores recuar de nossa função reconstrutora e transformadora das várias realidades em que estamos inseridos. Não há espaço para a estagnação do conhecimento em nossa prática pedagógica, sabendo que por meio dela, outras histórias serão tecidas. 

Somos todos autores deste projeto construído por muitas mãos, que deu origem à Proposta Pedagógica Curricular “Pensando em Rede”. Sejamos, pois, também regentes desse importante movimento que tem no cenário escolar o local de construção e reconstrução de saberes capazes de garantir o protagonismo e a formação integral dos alunos nele inserido.

Parabenizamos os Profissionais da Educação, pelo excelente trabalho desenvolvido na Rede Municipal de Ensino, e agradecemos a todos pela dedicação e empenho dispensados a este fazer contínuo denominado Educar. 

Um forte abraço!

MARILZA DE OLIVEIRA LEITE
Secretária Municipal de Educação